sábado, 7 de novembro de 2015

Os sete príncipes do inferno.

Mitologia: Os sete príncipes do inferno.

Foi a imagem mais bonitinha que eu achei pra colocar aqui :v

Eu sou um amante fervoroso de mitologia, de todos os tipos, e apesar de ser ateu, a mitologia Bíblica também me interessa muito. Os hebreus viviam na terra de Canaã, vários estados sem fronteira, habitados por inúmeros povos com diferentes culturas. Então, por anos e anos os autores do tão consagrado livro foram sendo influenciados por outras culturas, como a mitologia sumeriana, zoroastriana, judaica, grega e até romana. Por mais interessante que fossem os deuses de outras mitologias, os autores da Bíblia insistiam em criar uma história com um deus único, e por isso, durante um certo período da Bíblia, Lúcifer passou a ser chamado de Satan, e todos os deuses de outras culturas que apareciam como anjos foram endemoniados no livro. Muitos desses herdaram suas características de outras mitologias, e os que eu irei abordar aqui serão aqueles que seguem como os sete pecados capitais, os príncipes do inferno.
Muitas pessoas, durante a antiguidade, acreditavam fielmente em terem visto alguns desses demônios, ou seres sobrenaturais como anjos e deuses, e muitos desses relatos descreviam como eles eram. A partir daí, foi-se montando a imagem que temos hoje deles, e também, as suas finalidades. Espero que saibam ler e interpretar que, o que eu irei fazer aqui não é um debate religioso, e tampouco um culto adorador de algo. Apenas irei explicar sobre eles, assim como qualquer mitologia. Parece que os cristãos principalmente tem uma afronta muito forte com os seres mitológicos que são os demônios. Então deixo bem claro que qualquer comentário de porte religioso ou ateu será ignorado, ou removido.
Para quem entendeu o recado, seguirei com a postagem.

O livro.

Antes de falar sobre os demônios em si, para que a perspectiva de como formou-se o caráter dos demônios, é necessário explicar um pouco sobre o livro sagrado. 
Grande parte, se não todos, dos livros originais da Bíblia se perderam com o tempo devido ao material usado para se escrever, que era o papiro. Por anos, a escritura "divina" passou de boca a boca, de pai para filho, sem ser escrita por ninguém. Com isso, os Hebreus (atualmente habitando Israel, em um confronto com os palestinos) podiam encorporar atributos para os personagens, e/ou enredo da santa escritura, que ainda estava em sua fase "beta". Após anos de pura falação, alguns escribas resolveram concretizar a mitologia Judaica em algo que já deveria ter sido feito a muito tempo: um livro.
As primeiras escrituras Bíblicas nunca foram encontradas até hoje. 
 O nome Bíblia é por muitos interpretado como biblioteca, afinal o livro mais famoso do mundo, e mais vendido também, é um conjunto de livros escritos por pessoas diferentes, em épocas diferentes, sobre a tensa missão de manter a mesma linha de raciocínio. Com isso, os primeiros cinco livros da Bíblia passaram a se chamar de "Velho Testamento", chamado de Torá, ou Pentateuco.
O velho testamento fala mais a respeito das regras que o povo Hebreu deveria seguir, e não sobre deus em si.
 O trabalho coletivo que resultou na Bíblia não foi fácil de se obter, foram necessários no total, mais de 40 pessoas para cada livro da Bíblia, que obviamente seriam substituídos mais tarde pela igreja. Após finalmente a obra estar pronta, muita coisa foi perdida, muita coisa alterada, e muita coisa retirada. O que eu irei apresentar, por conta disso, terá como base tanto a Bíblia atual e seus apócrifos (livros que a igreja considerou não-canônicos), quanto outras escrituras.
Durante uma época, a igreja Católica Apostólica Romana decidiu caçar e queimar todos os apócrifos, mas mesmo diante dessa perseguição, alguns apócrifos ainda restaram, como o livro de Enoque.

Os Príncipes

Dito isso, agora irei falar sobre as origens, finalidades e sobre os pecados que cada um dos Sete Príncipes do Inferno representam.

Lúcifer, o pecado do orgulho.
No início de Genesis, Lúcifer estava junto com deus durante a criação, quando deus menciona "façamos o homem a nossa imagem". Acredita-se que outros anjos estariam com eles, e alguns, até mesmo que Jesus estava presente na cena.
Durante muitos anos, deus havia ao seu lado poderosos e importantes anjos, que enquanto puros, se encarregavam de fazer o bem nas terras humanas. Eles possuíam asas brancas, seu corpo era parecido com o humano porém em uma escala muito maior, e existiam em milhares e milhares. O mais forte de seus anjos eram Lúcifer, que guiava os outros anjos com sua sabedoria e força. Seu nome significa "o que trás luz". Ele por anos viveu ao lado de deus em sua criação, porém com o tempo, seu orgulho e vontade de superar deus o fizeram se distanciar, e posteriormente, criar uma rebelião contra deus. Após a guerra, Lúcifer foi banido do Jardim do Éden, e ficou exilado no inferno, aonde ele e seu exército deveriam sofrer para a eternidade. Durante o processo de exilamento, Lúcifer teve seu nome removido e se tornou um anjo caído, posteriormente, um demônio. Atualmente ele é conhecido apenas como "Satan", ou "Satanás" na tradução para o português.

Asmodeus, o pecado da luxúria.
Que diabos é isso? o.o
Abaixo apenas do próprio Lúcifer, Asmodeus é o demônio responsável por cometer a luxúria, pessoas a cometer crimes, e por fim deixá-las no infinito sentimento de culpa durante seus estados lógicos. Muitos teólogos e fans de mitologia (para não dizer religiosos :v) concordam em afirmar que Asmodeus é o responsável pela morte dos noivos de Sara, e pela sua cega vingança ao rei de Israel, Salomão. Na demonologia, Asmodeus é considerado o segundo demônio mais opositor à tudo o que é, em termos bíblicos, sagrado. O motivo de querer vingança à Salomão se deve ao fato dele ter sido traído pelo mesmo, e trancafiado em uma Urna.

Belzebu, o pecado da gula.
Conhecido como a representação do mal absoluto, ele possui seu corpo quase todo humano, com exceção de sua cabeça em formato de bode, e de suas asas negras que representam a sua caída do paraíso. Esta era a sua representação Bíblica, mas ele já havia sido retratado de forma diferente nas suas origens, aonde era dito a fusão de Baal, o deus dos trovões e da crueldade, com Zebub, o deus das moscas e da pestilência. Sua aparência é de uma mosca com seis patas, e com suas asas marcadas com o símbolo dos piratas, uma caveira com ossos cruzados.
 Baal, que era rival de Zebub, venceu-o em uma guerra. Pela intensidade do evento, um abismo gigantesco foi juntado, aonde Baal e Zebub seriam sugados e transformados em uma única divindade. Após ser arremessado no inferno, Belzebuth se prendeu em uma fossa e ficou lá até ser resgatado por Shaitan, o segundo demônio mais forte, precedido de Lúcifer e sucedido de Belphegor. Belzebu é considerado o irmão de Lúcifer e pai de Belial, e descende direto da linhagem de Behemoth.

Mammon, a personificação da avareza.
Sempre me diziam que cara feia é fome... Talvez eles tenham razão :v
Parte da trindade infernal, juntamente de Lúcifer e Lilith, Mammon por muitos anos foi considerado apenas como um termo que significasse dinheiro ou avareza. O próprio anticristo, e conhecido por ser o devorador de almas, sua aparência é de um nobre deformado, com muita fome, e era constantemente representado com um saco de moedas de ouro, insinuando que apenas dinheiro não satisfaz as necessidades humanas. Quando roubava almas, Mammon passava a ser representado como um Abutre que destraçava os corpos dos humanos que trocavam suas almas por dinheiro.

Belphegor, o senhor das chamas.
Fofinho, não? :v
Sua existência se prolonga desde milênios atrás, com sua origem assiriana, aonde era chamado por Baal-peor. Era considerado o deus da orgia e das perversões durante este período. Em Israel, ele era adorado como um deus em formato fálico (genital masculino). Como sacrifício para ter seus serviços, Baal-peor, na mitologia cabalística, exigia excrementos humanos durante o processo de decomposição, o que deveria ser extremamente nojento de se obter. Seus serviços envolviam riqueza, dinheiro e desconfiança mútua.
Belphegor em seu estágio inicial, durante uma orgia com vários demônios.
 Em anos depois seu nome mudou para Belphegor, em atribuição aos montes Phegor, aonde era cultuado como deus das inovações, das perversões, e senhor das chamas. 
Durante as guerras entre Lúcifer e Deus na literatura Bíblica, Belphegor não pegou em armas para lutar contra a legião de anjos traidores por deus, e resolveu fugir para as terras posteriores, um lugar de calma. Após a guerra, os anjos do senhor o encontrou, e ele foi banido, como desertor, para o inferno. Seu nome, Bastiel, fora retirado e ele foi recebido com rispidez pelos demônios infernais. Lúcifer porém, percebeu a oportunidade de obter um novo companheiro, e firmou uma aliança com o anjo-caído, Bastiel, que agora havia se tornado um demônio. Seu nome então passou a ser Belphegor, e logo que firmou sua aliança, Molloch, o senhor do primeiro círculo do inferno resolveu atacá-lo, mas perdeu devido ao poder de Belphegor, que havia sido um Arcanjo enquanto estava ao lado de deus. Após humilhar Molloch, Belphegor se apossa do primeiro círculo, e passa a ser tratado como a personificação da preguiça, o segundo pecado.
Molloch, durante um de seus cultos.
Sua força é tanta, que somente Lúcifer o cumprimenta de igual para igual, e posteriormente Belphegor consegue roubar a foice da morte, que havia sido criada por deus.
Sua representação é de um velho barbudo com três braços e uma cauda de dragão, além de ter cicatrizes do arrancamento de suas asas em suas costas e dentes de tigre. Ele também é retratado como uma bela jovem alta e de cabelos negros.

Azazel, o demônio da ira.
Acredita-se que o termo "bode expiatório" tenha sido criado em homenagem ao Azazel.
Após as guerras contra Lúcifer e seus demônios, muitos dos anjos de deus foram eliminados, e muitos deles também, receberam influências por estarem perto dos demônios e de seus pecados. Cerca de 200 anjos decidiram vir a terra, e casarem-se com as mulheres humanas, disfarçando-se de humanos. Azazel teve muitos filhos aqui na terra, e ele, quase que exclusivamente, teve todas as suas descendências mortas pelo dilúvio. Após receberem a punição divina, os anjos envolvidos nesse caso ficaram chamados de "nefilins", e seu tratamento era igual ao de um anjo caído. As relações entre nefilins e mulheres humanas podem gerar gigantes ou sentinelas, assim como diz a Bíblia. Após ensinar astronomia, criação de armas e ajudar na evolução da humanidade, deus, que havia visto isso como uma traição, limpou as terras com o dilúvio e baniu Azazel pelas mãos do Arcanjo Gabriel. Dentro da demonologia, Azazel teve o seu início como um deus Judaico em formato de bode, que em seus cultos sodomias e zoofilias eram ocorridas. Seus adoradores entregavam suas filhas virgens para ter relações sexuais com outros homens e com bodes como oferenda ao deus. 

Leviathan, o dragão marinho invejoso.
A zona abissal é o lugar da terra que mais me dá medo. Muitas vezes eu tenho medo do que sei que é perigoso, como assassinos ou sequestradores, mas o que me deixa aterrorizado mesmo é o desconhecido... Quem sabe um dia eu fale sobre a zona abissal.
Conhecido por ter um formato de dragão, Leviathan é uma criatura que habita os mares, e é o quarto príncipe do inferno. O rei dos mares é dono da mais pura brutalidade e dos instintos mais profundos e imaculáveis da humanidade. Sua natureza e figura são atribuídas ao oculto, portanto pouca coisa tem a se falar dele. Acredita-se que ele foi formado com base no amedrontador e desconhecido oceano, em áreas abissais. Até mesmo o espaço já foi mais explorado pelos seres humanos do que o oceano em si.

Então são estes os magníficos e mitológicos príncipes do inferno. Eu realmente amo mitologia, então acho que irei fazer outra postagem sobre, o que acham?
Até a próxima!

0 comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...